quinta-feira, 7 de setembro de 2017

The curious case if Benjamin Button

Apesar de já ter ouvido falar no filme The curous case of Benjamin Button a verdade é que nunca tinha tido a oportunidade, nem a vontade de assistir.
A semana passada numa tarde pós-laboratório e enquanto fazia zapping, reparei que o filme estava a dar no canal Hollywood e já ia no final, sendo que decidi voltar a pô-lo de início.

O filme que conta com Brad Pitt no papel principal, conta a história de Benjamin Button que nasce idoso e, contra todas as expectativas, sobrevive e vai rejuvenescendo ao longo dos anos. Durante a infância, ainda com uma aparência de idoso, Benjamin conhece Daisy uma menina ruiva encantadora com a qual cria uma amizade, apesar dos olhares de curiosidade por ele não ter uma aparência infantil.

É então neste paralelismo entre o que é e o que aparenta que vamos acompanhando a vida de Benjamin.

Apesar de ser um filme bastante grande, flui bastante bem, pelo que nem dei pelo tempo passar. É realmente uma grande história que vale muito a pena ver.

Resultado de imagem para benjamin button


«For what it's worth: it's never too late or, in my case, too early to be whoever you want to be. There's no time limit, stop whenever you want. You can change or stay the same, there are no rules to this thing. We can make the best or the worst of it. I hope you make the best of it. And I hope you see things that startle you. I hope you feel things you never felt before. I hope you meet people with a different point of view. I hope you live a life you're proud of. If you find that you're not, I hope you have the strength to start all over again.» 
- Benjamin Button

4 comentários:

  1. Gostei bastante do filme! Já o vi há algum tempo mas tem uma história fortíssima, e consegue-nos agarrar ao ecrã desde o primeiro minuto!
    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Um filme que vem ao encontro da minha teoria de que devíamos nascer reformados e só começávamos a trabalhar depois dos 65 anos.
    Assim não assistíamos à injustiça que é passar a vida a trabalhar e quando nos reformamos, ou temos pouco tempo de vida, ou vivemos uma data de anos a babar-nos e a mijarmo-nos pelas pernas abaixo.
    Do filme, que já vi há bastante tempo, pouco posso dizer, porque passei a maior parte do tempo a dormir. Bem puxava para trás, mas quanto mais puxava, mais sono tinha e, altas horas da madrugada, desisti. eheheheh

    ResponderEliminar
  3. Vi o filme no Natal do ano passado e adorei! Entrou na lista dos favoritos! E essa citação mexeu tanto comigo...
    Beijinho*
    http://nouw.com/juu

    ResponderEliminar

Faz barulho *