segunda-feira, 27 de abril de 2015

E no fim só a saudade


Se me dissessem que no dia em que te abri a porta da minha casa também estaria abrir a porta do meu coração eu não acreditaria. Mas assim foi. 
Senti-me bem contigo, parecia que já te conhecia a eternidades e não te podia deixar ir. E não deixei. 

Os momentos bons que nem pareciam verdade. O medo. As dúvidas. O "pensar demasiado".  Uma conversa dolorosa. Mas tu foste impecável e não me deixaste. O meu abrir d'olhos. A felicidade voltou com mais calma. Os planos. A pausa para os exames e os nervos à flor da pele. Tu eras a luz no fundo do túnel que eu não via a hora de atravessar só para te abraçar. O reencontro e o auge da felicidade. A minha certeza. A sensação de não te querer longe de mim. O silêncio. As tuas dúvidas. A reviravolta. As lágrimas. A saudade.


3 comentários:

Faz barulho *