segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Viva e bem vivinha

O que seria de um carro sem o seu condutor?  Apenas uma lataria, ali parada na garagem.
Quando o condutor não está nas suas perfeitas condições,  o carro torna-se  até uma arma perigosa, difícil de controlar.

O ser humano não é propriamente uma lataria , mas realmente é triste quando o cérebro, nosso condutor, começa a falhar. 
O mal de alzheimer, por exemplo, é uma treta e quase de certeza que todos nós temos alguém próximo ou conhecemos alguém que tenha e que vive o drama desta doença neurodegenerativa. 


O meu avô viveu este drama e mais recentemente uma tia da minha mãe também.
Sabem aquelas pessoas que não dão o braço a torcer? Essa senhora era uma delas.
Lembro-me perfeitamente de há dois anos e nos anteriores ela sempre reclamar do marido e realmente ele não era (nem é) das melhores pessoas do mundo. Mas agora, ela já não é  a mesma.  Não nos reconheceu desta vez.
Perguntou quem éramos e fez algumas questões que repetia cinco minutos após terem sido respondidas.
Agora já diz que o marido é uma jóia, que não poderia ser melhor.

Ainda vejo nela aquela força a que ela nos acostumou, mas a cabeça atraiçoa-a e impede que seja a mesma pelo menos a 100%.

É  muito triste vê-la assim.  Nem sei se voltaremos a encontrá-lá. Mesmo assim, como ela disse num dos momentos de maior lucidez: "Estarei viva e bem vivinha meus amores!".  Que assim seja. 



3 comentários:

  1. É algo realmente triste. :/
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. O que eu mais peço é para que não veja passar nem os meus avós nem os meus pais nessa situação! Deve ser das piores doenças que se pode ter :/

    ResponderEliminar
  3. Já tive casos na família e é muito triste a mãe chegar ao ponto de nem conhecer os filhos.
    A vida às vezes é uma treta... :/

    ResponderEliminar

Faz barulho *